MENU

03/01/2020 às 11h33min - Atualizada em 04/01/2020 às 13h51min

Boleto bancário: como funciona esse meio de pagamento?

A facilidade em se tornar um microempreendedor individual (MEI) faz com que, todos os dias, milhares de brasileiros tirem projetos do papel e arregacem as mangas. O trabalho nem sempre é fácil e, diante da concorrência, sobressai aquele que adota as melhores estratégias de negócio. Entre elas, está o boleto bancário como forma de pagamento.

DINO
https://gerencianet.com.br/
A cada ano, o número de empresas formalizadas no Brasil só cresce. A facilidade em se tornar um microempreendedor individual (MEI) faz com que, todos os dias, milhares de brasileiros tirem projetos do papel e arregacem as mangas. O trabalho nem sempre é fácil e, diante da concorrência, sobressai aquele que adota as melhores estratégias de negócio. Entre elas, está o boleto bancário como forma de pagamento.

O boleto é a melhor opção de cobrança para 75% dos consumidores do país, de acordo com uma pesquisa do Sebrae em parceria com o E-commerce Brasil. Por isso, oferecer essa forma de pagamento é, muitas vezes, um diferencial em uma estratégia de cobrança, especialmente por dois motivos. 

Um deles é o fato de que, em todo o país, 1 em cada 3 brasileiros não tem conta em banco. Esse foi o resultado de um estudo feito pelo Instituto Locomotiva. Em todo o mundo, o resultado é impressionante: pelo menos 1,7 bilhão de pessoas não possui contas em banco, de acordo com um relatório do Banco Mundial.

O outro motivo é que o boleto é considerado um dos métodos de pagamento mais práticos e menos burocráticos do mercado. Isso, por si só, já atrai muitos empreendedores em busca da garantia do recebimento por parte do consumidor, além da facilidade de acompanhar o processo do início ao fim.

Vantagens em efetuar cobranças por boleto

Em geral, o recebimento por boleto é sinônimo de diversificação. Na comparação com outros métodos, como o cartão de crédito, o boleto se mostra uma estratégia mais atraente. Algumas vantagens facilmente identificadas no boleto bancário são:

Fácil aceitação por todos os tipos de públicos, desde os clientes corporativos, pessoas jurídicas até instituições públicas, como prefeituras;

Flexibilidade para serem pagos;

Agilidade nos recebimentos;

Possibilidade de cobrança de juros e multas por atraso;

Possibilidade de oferecer descontos para pagamentos à vista, o que pode deixar um produto ou serviço ainda mais atrativo;

Possibilidade de enviar o boleto diretamente para o e-mail ou o WhatsApp do cliente/consumidor.

Quem pode emitir boletos?

Apesar de ser mais comum entre pessoas jurídicas, a emissão de boleto pode ser feita também por pessoas físicas. 

Se engana quem pensa que esse é um método apenas para quem possui lojas físicas. 

A utilização do boleto para quem tem um negócio online também é permitida e bastante simplificada. Assim, aqueles que têm uma loja virtual ou prestam serviços pela internet também podem contar com as vantagens de uma plataforma online para emissão de cobranças. 

Como um boleto é emitido?

Gerar boletos é um processo simples e de baixo custo, principalmente quando a emissão é realizada por sistemas informatizados especializados em facilitar pagamentos. 

Para começar a emitir esse tipo de cobrança, não é necessário ter conta em banco. No entanto, é preciso avaliar o custo-benefício do processo.

Emissão via instituições bancárias

A primeira possibilidade de emissão é via banco, por meio de um contrato. O emissor deve informar dados como: sacado, sacador, cedente, vencimento, dentre outros. Com isso, o banco pode receber a cobrança, validar o pagamento e descontar as tarifas praticadas pela instituição, que podem variar de acordo com a entidade. 

Com o boleto emitido, a próxima etapa é o envio da cobrança para o pagador e a espera pela confirmação do pagamento.

A PF, PJ ou MEI pode optar por fazer o processo diretamente no Internet Banking da instituição financeira com a qual firmou o contrato. Apesar de o passo a passo variar de banco para banco, em geral, eles pedem os mesmos dados relacionados ao cedente e sacador.

Esse tipo de emissão não visa escalabilidade, ou seja, não funciona para cobranças recorrentes e em grande volume. Porém, se a cobrança for eventual, pode ser uma possibilidade interessante.

Emissão via empresas intermediadoras de pagamento

Uma outra possibilidade está nas plataformas de pagamento conhecidas como intermediadores de pagamento. Eles não têm vínculo com bancos e atuam na automação de processos online.

Para emitir um boleto via intermediador, basta se cadastrar na plataforma escolhida, informar os dados do emissor para a aprovação do cadastro, concluir o processo de emissão e transferir o saldo recebido. Simples e prático.

Algumas empresas intermediadoras do mercado não cobram mensalidades pelo uso da plataforma, tão pouco tarifas de emissão, baixa ou cancelamento. 

Além do boleto, o emissor conta com outras soluções de pagamento na mesma plataforma, como carnês e assinaturas.

Boletos emitidos por meio dos intermediadores são aceitos em todos os bancos, em agências postais, lotéricas ou qualquer estabelecimento que seja credenciado o recebimento. Além disso, há a facilidade de ter o arquivo salvo diretamente na nuvem, o que garante maior segurança ao processo.

Essas plataformas também oferecem integrações via API, uma funcionalidade importante na área de programação. A partir das integrações, é possível incorporar sistemas empresariais e de e-commerce com a emissão de boletos online, por exemplo. O passo a passo desse processo pode ser conferido nesse artigo sobre como emitir boleto. 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale conosco
FALE COM A EQUIPE NAVIRAÍ NA NET
Envie sua sugestão, reclamação e denúncia.