27/11/2018 às 11h13min - Atualizada em 27/11/2018 às 11h13min

Afinal, contrair herpes de companheiro pode virar caso de polícia?

Homem procurou a polícia depois de supostamente ter pego doença da namorada

MidiaMax

(Reprodução/web - Imagem meramente ilustrativa)
 

Um homem de 35 anos procurou a polícia neste último fim de semana para prestar queixa contra a namorada depois de contrair herpes. O acontecido causou repercussão nas redes sociais, afinal, ele pode mesmo registrar um B.O. neste caso? Além disso, ficou a dúvida sobre as formas de contágio e teve até comentário sobre a chance de pegar a doença na cotidiana roda de tereré.

A professora de Sistema Imunológico e Saúde Pública da Anhanguera, Rosângela Fernandes, explica que de 50% a 90% dos adultos possuem anticorpos contra o vírus da herpes, ou seja, já tiveram contato com o vírus em algum momento. Ela explica que o vírus tem um período de latência, mas que mesmo que não esteja com lesões aparentes, a transmissão pode acontecer.

“Às vezes a pessoa pensa assim, ‘apareceu e depois sumiu, estou curado’. Não é assim. Ele entra em estado de latência, quando surgem fatores como estresse, exposição ao sol, baixa da imunidade, o vírus vai aparecer novamente na forma de lesão”, ressalta.

A herpes simples é um vírus que tem os tipos 1 e 2. A professora explica que o tipo 1 é característico nos lábios, enquanto o tipo 2 atinge a região genital. “Ele vai ficar num período de incubação através de contato íntimo, até por beijos. Como o ato de beijar muito mais realizado, até mesmo uma criança pode pegar”, conta.

Os riscos de contágio são variados, mas o que preocupa o campo-grandense é o tereré. Compartilhar a bomba na roda de tereré pode transmitir o vírus? A especialista explica que casos como estes são raros, já que o vírus é rapidamente inativado em temperatura ambiente, mas que é possível. “A disseminação do vírus por talheres ou pela bomba é rara. Se for por um espirro, por uma gota de saliva que ficou no objeto e secou, após a secagem é rara. Mas, se for nessa transmissão mais próxima, pode sim”, diz.

Quando procurar a polícia?

No caso do campo-grandense, ele afirmou aos policiais que estaria infectado com herpes supostamente transmitida pela namorada depois de manterem relações sexuais sem usar preservativos. Para explicar o caso, o Jornal Midiamax conversou com o professor de direito criminal da Anhanguera, Caíque Galícia.

O professor explica que o crime de perigo de contágio venéreo existe no Código Penal desde a década de 1940 e que visa punir pessoas que transmitem doenças ou simplesmente expõem o parceiro a doenças durante uma relação sexual. “Tanto herpes como candidíase, clamídia, todas estas doenças poderiam em tese se enquadrar neste crime”, diz.

O professor explica que nem é preciso que a vítima seja contaminada pela doença. Se uma pessoa expõe o parceiro sexual ao risco de pegar a doença, já é crime. Mas, além disso, vale lembrar que para ser acusada, só caso a pessoa saiba que tem a doença e tenha relações sexuais sem avisar o parceiro. “Este crime exige que a pessoa tenha o conhecimento da doença e ainda assim exponha o outro. Ela tem que saber que está contagiada. No caso da herpes, se a pessoa apresentou algumas feridas, a gente considera que ela deveria saber que tem a doença, aí se mesmo assim ela transmite ou expõe outra pessoa, já seria crime”, explica.

Mas e se a pessoa não souber que tem a doença e transmitir ‘sem querer’, é crime? O especialista explica que, em geral, os crimes têm sua forma dolosa, quando há intenção, e culposa, quando não há intenção. No caso do crime de perigo de contágio venéreo, não há a forma culposa. Se a pessoa transmitiu a doença ao parceiro sem saber, não é crime.

“Este crime pode acontecer entre pessoas casadas, independente da orientação sexual, independente se ela for profissional do sexo, qualquer uma destas pessoas pode ser vítima deste crime”, afirma.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
anigif2d75e2.gifImage and video hosting by TinyPic anigif.gif